Atualizado: 12 de julho de 2024
NOME: Agadzhanov Sergey Artemovich
Data de nascimento: 20 de outubro de 1957
Situação atual do processo penal: Pessoa condenada
Artigos do Código Penal da Federação Russa: 282.2 (2)
Limitações atuais: acordo de reconhecimento
Frase: pena sob a forma de 3 anos de prisão, com privação do direito de exercer atividades relacionadas com a participação no trabalho de organizações e associações religiosas públicas por um período de 3 anos, com restrição da liberdade por um período de 10 meses, uma pena de prisão é considerada suspensa com um período experimental de 3 anos

Biografia

Em 20 de março de 2019, buscas e interrogatórios de cidadãos em conexão com suas crenças cristãs foram retomados em Magadan. Sergey Agadzhanov tornou-se um novo réu no processo criminal contra os crentes em Magadan, que a essa altura já tinham completado 13 anos. A investigação acredita que ele participava de cultos. O que se sabe sobre ele?

Sergey nasceu em 1957 na aldeia de Pervomaisky, região de Luhansk, na Ucrânia. Ele tem uma irmã mais nova e dois filhos adultos. Quando criança, gostava de modelar, trabalhou como motorista por mais de vinte anos. Agora aposentado, mas não gosta de ficar de braços cruzados - ele está envolvido em reparos de apartamento, vai à academia para manter a boa forma física.

Ao longo dos anos, Sergey viveu em Moscou, na região de Kaliningrado e em Yakutia. Recentemente ele tem vivido em Magadan. Nos anos 2000, ele ficou muito impressionado com a evidência de que a Bíblia é a Palavra de Deus.

Os parentes de Sergey não conseguem entender por que uma pessoa pacífica está sendo processada sob artigos criminais, embora entendam que é exatamente isso que a Bíblia previu.

Histórico do caso

Após uma série de buscas em Magadan em maio de 2018, Konstantin Petrov, Yevgeny Zyablov e Sergey Yerkin foram colocados em um centro de detenção preventiva. No mesmo dia, em Khabarovsk, Ivan Puyda foi revistado. Ele foi preso e depois levado a 1600 km de distância para o centro de detenção preventiva de Magadan. Os fiéis passaram de dois a quatro meses atrás das grades e depois foram colocados em prisão domiciliar. Em março de 2019, a FSB realizou outra série de buscas. O número de réus no caso chegou a 13, incluindo seis mulheres, incluindo idosos. O investigador considerou a realização de cultos pacíficos como organizar as atividades de uma organização extremista, participar e financiá-la. Em quase quatro anos de investigação, o processo contra 13 fiéis cresceu para 66 volumes. Entrou na Justiça em março de 2022. Nas audiências, ficou claro que o caso se baseava no depoimento de uma testemunha secreta - um informante do FSB que mantinha registros secretos de culto pacífico. Em março de 2024, os fiéis receberam penas suspensas de 3 a 7 anos.