Atualizado: 19 de julho de 2024
NOME: Baranovskaya Valentina Ivanovna
Data de nascimento: 8 de abril de 1951
Situação atual do processo penal: que cumpriu a pena principal
Artigos do Código Penal da Federação Russa: 282.2 (2)
Detidos: 89 Dias no centro de detenção provisória, 345 Dias na colônia
Frase: pena sob a forma de prisão pelo prazo de 2 anos em colónia correcional de regime geral, com restrição da liberdade pelo prazo de 6 meses; Substituído pela liberdade condicional

Biografia

Em 10 de abril de 2019, foram realizadas buscas nas famílias dos crentes em Abakan. Valentina Baranovskaya e seu filho Roman foram detidos. Um processo criminal foi aberto contra eles sob um artigo "extremista". A investigação durou mais de um ano, e depois o caso foi analisado na Justiça por 8 meses. Em fevereiro de 2021, uma decisão inédita foi tomada: uma mulher de 70 anos foi condenada a 2 anos de prisão por acreditar em Jeová Deus. 3 meses depois, a Suprema Corte de Khakassia confirmou o veredicto.

Valentina nasceu em 1951 na aldeia cazaque de Vannovka. Junto com seu irmão mais velho e irmã, ela cresceu em uma família dominada por crenças comunistas. Em 1973, ela se formou no Ufa Financial College à revelia. No ano seguinte, nasceu um filho, Roman. Quando ele tinha 7 anos de idade, a família se estabeleceu em Ashgabat (Turcomenistão). Em 1991 mudaram-se para Abakan, onde vivem até hoje.

Valentina trabalhava como contadora e economista e se aposentou em 2006. É uma pessoa criativa, desde criança escreve poesias, adora dar aos amigos cumprimentos de casamento e canções. Adora cozinhar e receber convidados, e nas horas vagas adora resolver palavras cruzadas.

Em 1995, Valentina e o filho começaram a ler a Bíblia. Ela ficou impressionada com as belas verdades que estão contidas ali. Ela ficou particularmente impressionada com a ideia de que Deus não podia mentir. Ela decidiu confiar na Bíblia sempre e em tudo e viver de acordo com seus mandamentos.

A ação penal prejudicou a saúde de Valentina: no verão de 2020, pouco antes do início das audiências judiciais, ela foi diagnosticada com um infarto cerebral, ou acidente vascular cerebral isquêmico. Segundo os médicos, o crente estava internado em estado moderado. Tudo isso, no entanto, não impediu que o tribunal condenasse a idosa a uma pena real de prisão.

Parentes ficaram chocados ao saber que Valentina e o filho foram condenados apenas por causa da fé. "Eles sabem que somos pessoas pacíficas, gentis, decentes (...) Eles ainda não conseguem se entender", diz Valentina.

Histórico do caso

Em abril de 2019, o investigador do Comitê de Investigação da Federação Russa A. Pachuev abriu um processo criminal contra Roman Baranovsky e sua mãe, Valentina. Ao mesmo tempo, policiais armados revistaram a casa deles. Fiéis de Abakan foram acusados de organizar as atividades de uma organização extremista e participar dela. No verão de 2020, o caso foi submetido ao Tribunal da Cidade de Abakan. Em um contexto de estresse intenso, Valentina teve um AVC. Em fevereiro de 2021, a juíza Yelena Shcherbakova considerou os fiéis culpados e condenou Roman a 6 anos de prisão e Valentina a 2 anos. A crente de 70 anos se tornou a primeira mulher testemunha de Jeová na Rússia a ser condenada à prisão real. A Suprema Corte de Khakassia manteve essa decisão. No outono de 2021, apesar das graves doenças de Valentina, o tribunal negou sua libertação antecipada. Seu pedido repetido foi atendido e, em 4 de maio de 2022, Valentina foi libertada. Roman continua a cumprir sua pena em uma colônia penal.