Atualizado: 24 de julho de 2024
NOME: Kardakova Inna Alekseyevna
Data de nascimento: 2 de agosto de 1980
Situação atual do processo penal: Condenado
Artigos do Código Penal da Federação Russa: 282.2 (2)
Limitações atuais: acordo de reconhecimento
Frase: pena sob a forma de prisão por um período de 3 anos com restrição de liberdade por um período de 10 meses, uma pena sob a forma de prisão será considerada condicional com um período experimental de 3 anos

Biografia

Em 20 de março de 2019, buscas e interrogatórios de cidadãos em conexão com suas crenças cristãs foram retomados em Magadan. Inna Kardakova tornou-se uma nova arguida no processo criminal contra os crentes em Magadan, que por esta altura já tinham completado 13 anos. A investigação acredita que ela participava de cultos. O que sabemos sobre Inna?

Inna nasceu em 1980 em Blagoveshchensk, região de Amur. Ela tem um irmão mais novo. Quando criança, gostava de vôlei, tricô e leitura de ficção, gostava muito de histórias de detetives. E agora seus hobbies não mudaram muito: ela ainda ama esportes, joga vôlei, badminton, tênis de mesa e também faz trabalhos com agulhas. Inna é contadora-economista de profissão, formada pela faculdade municipal de construção civil e trabalhou como contadora por 12 anos. Ele vive em Magadan há vários anos.

A avó de Inna, que professa a ortodoxia, incutiu em sua fé em Deus desde a infância. Mais tarde, ela e uma amiga enviaram uma Bíblia. "O que me ajudou a me estabelecer nos ensinamentos bíblicos? Em primeiro lugar, respostas lógicas e razoáveis da Bíblia para questões atuais, bem como a comunicação com cristãos espiritualmente maduros", diz Inna.

Histórico do caso

Após uma série de buscas em Magadan em maio de 2018, Konstantin Petrov, Yevgeny Zyablov e Sergey Yerkin foram colocados em um centro de detenção preventiva. No mesmo dia, em Khabarovsk, Ivan Puyda foi revistado. Ele foi preso e depois levado a 1600 km de distância para o centro de detenção preventiva de Magadan. Os fiéis passaram de dois a quatro meses atrás das grades e depois foram colocados em prisão domiciliar. Em março de 2019, a FSB realizou outra série de buscas. O número de réus no caso chegou a 13, incluindo seis mulheres, incluindo idosos. O investigador considerou a realização de cultos pacíficos como organizar as atividades de uma organização extremista, participar e financiá-la. Em quase quatro anos de investigação, o processo contra 13 fiéis cresceu para 66 volumes. Entrou na Justiça em março de 2022. Nas audiências, ficou claro que o caso se baseava no depoimento de uma testemunha secreta - um informante do FSB que mantinha registros secretos de culto pacífico. Em março de 2024, os fiéis receberam penas suspensas de 3 a 7 anos.